bbrbet -Manifestantes do Movimento Nacional de Luta pela Moradia (MNLM) realizaram, na manhã desta terça-fei

Movimento de morabbrbet -dia cobra do TJRS criação de secr

Manifestantes do Movimento Nacional de Luta pela Moradia (MNLM) realizaram,çãbbrbet - na manhã desta terça-feira (16), manifestação em frente ao Tribunal de Justiça (TJRS), em Porto Alegre. O intuito foi chamar a atenção para a necessidade da criação da Comissão de Solução de Conflitos Fundiários, conforme determinado pelo Supremo Tribunal Federal (STF) em novembro de 2022.

Continua após publicidade

O ato integra a Jornada Nacional de Luta do MNLM Brasil, com manifestações nas próximas semanas por todo o Brasil em defesa do direito à moradia digna e contra os despejos.

De acordo com os manifestantes, no Rio Grande do Sul aproximadamente 20 mil famílias estão ameaçadas de despejos imediatos. Também apontam que o déficit habitacional supera as 250 mil famílias, sendo cerca de 150 mil famílias na região metropolitana, "resultado do abandono das políticas de habitação popular e pelo empobrecimento do povo".

O MNLM lembra que em 31 de outubro de 2022 venceu o prazo de suspensão dos despejos determinado pelo STF. Em 2 de novembro de 2022 foi determinado pelo STF um "regime de transição" que orienta os tribunais de Justiça a criar comissões de mediação de conflitos.

Para o movimento, sem a comissão de solução de conflitos fundiários, os processos de reintegração de posse estão sendo movimentados sem a garantia deste direito às famílias.

"Para evitar que milhares de famílias sejam despejadas é urgente que o TJ/RS crie a Comissão de solução de conflitos fundiários como definiu o STF (onde as ocupações sejam ouvidas e tenham oportunidade de construir propostas de solução com a participação do poder público e do judiciário)", ressalta em nota emitida pelo Movimento.

O movimento também ressalta a importância da aprovação do PL 35/2022, apresentado na Assembleia Legislativa do RS, que cria a Política Estadual de Prevenção às Remoções e Despejos no Rio Grande do Sul.

"Estamos na rua exigindo maior participação dos Municípios e dos Estados no Programa Minha Casa Minha Vida seja com a doação de terrenos/prédios ociosos, ou entrando com contrapartidas financeiras para cada unidade do PMCMV. É urgente de ampliação dos recursos destinados ao Minha Casa Minha Vida – Entidade os recursos previstos para este e os próximos anos propostos até agora são insuficientes para atender a demanda reprimida de mais de 1 milhão de pessoas ameaçadas de despejos. Além das mais de 7 milhões de famílias que não tem onde morar", diz a nota.

Após o ato em frente ao TJRS, os manifestantes se dirigiram ao Palácio Piratini para solicitar uma audiência com o governador. Durante a tarde, participaram da Conferência Livre de Direitos Humanos da Assembleia Legislativa, com tema da violação do direito à moradia no RS

Abaixo a nota completa

_Nesta terça feira 16 de Maio inicia a Jornada Nacional de Luta do MNLM-Brasil. Articulando uma série de manifestações nas próximas semanas por todo o Brasil lutando pelo direito à moradia digna e contra os despejos._

_Nossa pauta de reivindicações se dirige a todos os níveis de governo seja estadual federal e municipal pois a Moradia é direito constitucional e de responsabilidade do Estado Brasileiro. No RS é a situação é grave aproximadamente 20 mil famílias estão ameaçadas de despejos imediato, o déficit habitacional supera as 250 mil famílias, e apenas na região metropolitana chega 150 mil famílias resultado do abandono das políticas de habitação popular e pelo empobrecimento do povo._

_Para evitar que milhares de famílias sejam despejadas é urgente que o TJ/RS crie a Comissão de solução de conflitos fundiários como definiu o STF (onde as ocupações sejam ouvidas e tenham oportunidade de construir propostas de solução com a participação do poder público e do judiciário)_

_É fundamental também a aprovação do PL 35/2022 apresentado na Assembleia legislativa que cria a Política Estadual de Prevenção às Remoções e Despejos no Rio Grande do Sul._

_Exigimos a redução imediata da taxa de juros e a troca do presidente do Banco central. Pois a cada 1% a menos na taxa de juros significa permitir que o governo economize 40 bilhões ao Ano o que garantiria 230 mil novas Moradia atendendo imediatamente todas as famílias ameaçadas de despejo. Além de alavancar a indústria e o consumo gerando emprego._

_Estamos na rua exigindo maior participação dos Municípios e dos Estados no Programa Minha Casa Minha Vida seja com a doação de terrenos/prédios ociosos, ou entrando com contrapartidas financeiras para cada unidade do PMCMV._

 É urgente a ampliação dos recursos destinados ao Minha Casa Minha Vida – Entidade. Os recursos previstos para este e os próximos anos propostos até agora são insuficientes para atender a demanda reprimida de mais de 1 milhão de pessoas ameaçadas de despejos. Além das mais de 7 milhões de famílias que não têm onde morar. 

Retomada do Conselho Estadual das Cidades, para a garantia da participação e do controle social das políticas de habitação e desenvolvimento urbano no RS 

Direção Estadual do MNLM Porto Alegre, 16 de Maio de 2023

 

Fonte: BdF Rio Grande do Sul

Edição: Marcelo Ferreira



Relacionadas

  • Dirigente do MNLM, Karina Camillo assume secretaria de Habitação de São Leopoldo

  • Perspectivas da política urbana: Porto Alegre na contramão da história

Outras notícias

  • "Comer ou pagar aluguel?": ocupações em Curitiba expõem problema de falta de moradia

  • Artigo | Por que o PL que proíbe despejos tem dificuldade para avançar em Pernambuco?

Visitantes, por favor deixem um comentário::

© 2024.cc777sitemap