lobo888 -No seu relatório apresentado nesta terça-feira (17), a senadora Eliziane Gama (PSD-MA), da Comissão

Impacto do 8 de lobo888 -janeiro para as Forças Armadas

No seu relatório apresentado nesta terça-feira (17),lobo888 - a senadora Eliziane Gama (PSD-MA), da Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) que investiga os atos golpistas do 8 de janeiro, criticou forças de segurança, incluindo policiais e militares. Da lista com 61 nomes sugeridos para serem indiciados, 30 são militares, incluindo nomes de alta patente. Destes, sete são da Polícia Militar do Distrito Federal (PMDF) e os outros, das Forças Armadas.

Continua após publicidade

<img src="https://s2.glbimg.com/02jXh7uriDITRh6PO1SJ8Xz4MmY=/fit-in/984x0/s.glbimg.com/po/tt2/f/original/2023/02/14/02_14_2023_5Ny8f_t0Y_b.png" alt=":: Relatório da CPMI do 8 de Janeiro é aprovado sob gritos de &39;sem anistia&39;">

Apesar de serem apenas sugestões de indiciamentos que devem ser encaminhadas ao Ministério Público e à Polícia Federal, somadas à exposição dos militares durante as sessões da comissão, o impacto para a imagem das Forças Armadas é negativo.

Nas palavras de Jorge Rodrigues, pesquisador do Instituto Tricontinental, a expectativa de que haveria uma "certa suavidade" em relação aos militares não se comprovou, e o impacto político é "inegável".

"Só o fato de estarmos discutindo isso agora comprova esse impacto. São altos oficiais do Exército, pessoas que não só são do ciclo próximo do Bolsonaro [PL], mas que têm uma representação pela carreira que tiveram da fina flor das Forças Armadas brasileiras. Essas pessoas estão sendo alvo por tentativa de golpe de Estado. Então é inegável que haverá um impacto político", afirma Rodrigues.

<img src="https://s2.glbimg.com/4LeXh3o5oTLJYXqh2hx2Qmq07FQ=/fit-in/984x0/s.glbimg.com/po/tt2/f/original/2023/02/14/02_14_2023_9WRPj_FRW_Z.png" alt=":: Golpistas do 8/1 ter&227;o que confessar crimes para aderir a acordo com PGR por penas alternativas ">

O pesquisador argumenta que a lista de sugestão de indiciamento se soma à politização dos militares nos últimos anos, que contribuiu para diminuir a confiança da população nas Forças Armadas. Segundo a pesquisa _A Cara da Democracia_, do Instituto da Democracia e da Democratização da Comunicação (IDDC), publicada em setembro deste ano, 20% dos entrevistados dizem "confiar muito" nas Forças Armadas. Em setembro do ano passado, esse índice foi de 27%. Na mesma linha, aquele que não confiam "nem um pouco" nos militares saiu de 26% para 30%.

"Nos últimos seis anos [desde o governo de Michel Temer, aproximadamente], o movimento dos militares de ocupar a política institucional e cargos no Executivo gerou um ônus em termos de percepção da sociedade para com as Forças Armadas. Sem dúvida, os últimos acontecimentos e o relatório da CPMI entram nesse bojo", afirma Rodrigues.

Casos isolados?

Ainda que as responsabilizações propostas no relatório da CPMI sejam individuais, tendo em vista até mesmo a ausência de ferramentas no ordenamento jurídico brasileiro para punir as Forças Armadas como um todo, o professor afirma que não é possível olhar para as condutas dos militares como casos isolados.

"A ideia de casos isolados é risível, porque a própria estrutura do Exército, da Marinha e da Força Aérea brasileira é tal que só chegam no topo da carreira aquelas figuras, cujos pares entendem como aptas a comando. A gente está vendo [na lista de sugestões de indiciamentos] generais e almirantes que chegaram no topo da carreira. Então quer dizer que todo o processo de escrutínio dentro das forças de nada serviu?", questiona Rodrigues. "A alternativa é dizer que então a instituição não está preparada para decidir quem vai chegar no topo da carreira."

<img src="https://s2.glbimg.com/dCxJe5wY5K6bL46gMyrJmJ8z00Y=/fit-in/984x0/s.glbimg.com/po/tt2/f/original/2023/02/14/02_14_2023_dY5r3_mcr_Y.png" alt=":: CPMI: investiga&231;&227;o aumenta possibilidade de puni&231;&227;o aos crimes dos militares, acredita pesquisador ">

Nessa perspectiva, Juliana Bigatão Puig, professora do Departamento de Relações Internacionais da Unifesp e coordenadora do Observatório Brasileiro de Defesa e Forças Armadas, afirma que o "impacto é mais no sentido de a gente pensar o que são as Forças Armadas e quais são as suas funções".

Por isso, a professora reafirma a necessidade de repensar a presença de militares na administração pública ou "o quanto isso é recomendado dentro de uma democracia", ou seja, "a presença de militares nas mais diversas esferas do governo, em cargos que deveriam ser ocupados por civis". As forças "deveriam estar cuidando da defesa nacional, de acordo com o que diz a nossa Constituição. Mas foram cada vez mais sendo politizadas".

<img src="https://s2.glbimg.com/t5k54i4_DqhY9xqv6DNhG9vJqq8=/fit-in/984x0/s.glbimg.com/po/tt2/f/original/2023/02/14/02_14_2023_t5ixT_8lc_e.png" alt=":: Relembre os principais momentos da CPMI do 8 de Janeiro ">

"O relatório tem de ser lido num contexto mais amplo de que durante os quatro anos do governo Bolsonaro, tivemos várias demonstrações de envolvimento de membros das Forças Armadas em atos antidemocráticos que não só o 8 de janeiro, mas manifestações, motociatas, comícios e vários outros movimentos que tinham a presença da alta cúpula e de militares da reserva também que estavam envolvidos no governo Bolsonaro", afirma Puig.

Responsabilização no relatório

A senadora Eliziane Gama atribuiu a policiais e militares principalmente os crimes de associação criminosa, violência política, abolição violenta do Estado democrático de direito e golpe de Estado. Ao longo das 1.333 páginas, que reúnem quase cinco meses de trabalho, Eliziane Gama criticou a "herança autoritária" advinda da ditadura militar de 1964.

Em suas palavras, o 8 de janeiro é "resultado da omissão do Exército em desmobilizar acampamentos ilegais que reivindicavam intervenção militar; da ambiguidade das manifestações e notas oficiais das Forças Armadas, que terminavam por encorajar os manifestantes, ao se recusarem a condenar explicitamente os atos que atentavam contra o Estado Democrático de Direito; e de ameaças veladas à independência dos poderes".

A congressista defendeu que durante todos os períodos republicanos, os militares "se colocaram como tutores da Nação". E que no Brasil a sociedade civil nunca controlou as Forças Armadas, como é feito em "democracias consolidadas".

:: Privilégios a viúvas e filhos de militares se mantêm por conivência política, dizem analistas ::

"Essa ausência de controle produz, como resultados diretos, o medo permanente, por parte da sociedade civil, de um novo golpe de Estado, como o de 1964; e, em setores das Forças Armadas, a crença em uma inexistente prerrogativa extraconstitucional para interferir na atuação dos Poderes da República", escreveu Eliziane Gama em seu relatório. 

É nesse sentido que, para a relatora, os atos criminosos do 8 de janeiro que culminaram na invasão e depredação dos prédios dos Três Poderes, é "produto direto dessa herança autoritária, que ainda teima em persistir em alguns setores militares". 

:: "Democratização" das Forças Armadas denunciaria abismo entre oficiais e praças, diz sociólogo ::

"A atuação — omissiva e comissiva — das forças policiais e militares no Oito de Janeiro é motivo de preocupação, e assinala uma ameaça recorrente ao Estado Democrático de Direito: a cooptação, o uso e o aparelhamento de órgãos de Estado — e, no caso, de braços armados do Estado — como instrumento para promover uma tomada de poder." 

Veja a lista dos militares com pedido de indiciamento:

Ex-presidente da República:

Jair Bolsonaro: capitão da reserva do Exército 

Ex-ministros de Bolsonaro:

Walter Braga Netto: general da reserva do Exército, ex-ministro da Casa Civil e da Defesa, candidato a vice de Bolsonaro em 2022 

Augusto Heleno: general da reserva do Exército, ex-ministro do Gabinete de Segurança Institucional 

Luiz Eduardo Ramos: general da reserva do Exército, ex-ministro da Casa Civil, da Secretaria-Geral da Presidência e de Governo 

Paulo Sérgio Nogueira de Oliveira: general do Exército, ex-ministro da Defesa 


Augusto Heleno em depoimento à CPMI / Geraldo Magela/Agência Senado

Ex-comandantes das Forças Armadas:

Almir Garnier Santos: almirante e ex-comandante da Marinha 

Marco Antônio Freire Gomes: general e ex-comandante do Exército 

Ex-ajudantes de ordens de Bolsonaro:

Mauro Cid: tenente-coronel do Exército 

Marcelo Costa Câmara: coronel do Exército 


Mauro Cid foi convocado para depor na CPMI do 8 de Janeiro / Bruno Spada/Câmara dos Deputados

Militares ligados a Bolsonaro:

Luís Marcos dos Reis: sargento do Exército; 

Ailton Gonçalves Moraes Barros: ex-major expulso do Exército 

Antônio Elcio Franco Filho: coronel do Exército 

Jean Lawand Júnior: coronel do Exército 

Ridauto Lúcio Fernandes: general da reserva do Exército 


Jean Lawand Junior também esteve na CPMI / Bruno Spada/Câmara dos Deputados

Militares do Gabinete de Segurança Institucional (GSI):

Carlos José Russo Assumpção Penteado: general do Exército, então secretário-executivo do GSI 

Carlos Feitosa Rodrigues: general de Exército, então chefe da Secretaria de Coordenação e Segurança Presidencial do GSI 

Wanderli Baptista da Silva Junior: coronel do Exército, então diretor-adjunto do Departamento de Segurança Presidencial do GSI 

André Luiz Furtado Garcia: coronel do Exército, então coordenador-geral de Segurança de Instalações do GSI 

Alex Marcos Barbosa Santos: tenente-coronel do Exército, ex-coordenador-adjunto da Coordenação Geral de Segurança de Instalações

José Eduardo Natale de Paula Pereira: major do Exército, então integrante da Coordenação de Segurança de Instalações do GSI

Laércio da Costa Júnior: sargento do Exército, encarregado de segurança de instalações do GSI

Alexandre Santos de Amorim: coronel do Exército, então coordenador-geral de Análise de Risco do GSI

Jader Silva Santos: tenente-coronel da PMDF, então subchefe da Coordenadoria de Análise de Risco do GSI

Policiais militares do DF:

Fábio Augusto Vieira: coronel e ex-comandante-geral da PMDF

Klepter Rosa Gonçalves: coronel e ex-comandante-geral da PMDF

Jorge Eduardo Barreto Naime: coronel e ex-comandante de Operações da Polícia Militar do Distrito Federal


O coronel Naime Barreto na CPMI / Jefferson Rudy/Agência Senado

Paulo José Ferreira de Sousa Bezerra: coronel e ex-comandante interino do Departamento de Operações (DOP)

Marcelo Casimiro Vasconcelos Rodrigues - coronel e ex-comandante do 1º Comando de Policiamento Regional da Polícia Militar do Distrito

Flávio Silvestre de Alencar - major

Rafael Pereira Martins - tenente

Edição: Rodrigo Durão Coelho


Relacionadas

  • Abin: militares de gabinete de Bolsonaro buscaram dados pessoais de chefe da Receita em meio à investigação das rachadinhas

  • Relatório da CPMI do 8 de Janeiro é aprovado sob gritos de &39;sem anistia&39;

  • Relatório da CPMI do 8 de Janeiro pede indiciamento de Bolsonaro e militares por &39;associação criminosa&39;

  • Editor-chefe da EBC e ex-jornalista da Globo, Luiz Carlos Braga diz que não houve ditadura militar no Brasil

  • General da reserva é alvo da &39;Lesa Pátria&39;, mas nega à PF participação em atos golpistas

  • Sem provas, bolsonaristas acusam fotógrafo da Reuters de ter sido contratado para fazer &39;ensaio&39; do 8 de janeiro

  • Razões para uma reforma militar

  • Confiança nas Forças Armadas despenca no Brasil e está entre as menores do mundo, diz estudo

Outras notícias

  • &39;Hoje temos certeza que esse país teve sério risco de um golpe&39;, diz Lula em reunião com ministros

  • Moraes tira sigilo de depoimentos sobre tentativa de golpe; acesse a íntegra de todos

  • Sétimo depoimento de Mauro Cid à PF durou nove horas; militar foi liberado na madrugada desta terça

BdF
  • Quem Somos

  • Parceiros

  • Publicidade

  • Contato

  • Newsletters

  • Política de Privacidade

Redes sociais:


Todos os conteúdos de produção exclusiva e de autoria editorial do Brasil de Fato podem ser reproduzidos, desde que não sejam alterados e que se deem os devidos créditos.

Visitantes, por favor deixem um comentário::

© 2024.cc777sitemap